Seguidores

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Mercado: limpeza profissional movimentou quase R$ 18 bilhões de reais entre 2011 e 2012



Estima-se que o mercado de limpeza profissional movimentou, entre 2011 e 2012, entre 17,1 e 17,8 bilhões de reais. O setor engloba 16.500 empresas, entre fabricantes de Máquinas, Descartáveis, Equipamentos e Acessórios, Produtos Químicos e Dosadores, Empresas Distribuidoras e Prestadoras de Serviços. As estatísticas são do Estudo do Mercado de Limpeza Profissional no Brasil, atualização de 2012, da Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional (Abralimp) com realização da Top Marketing Consultores. O mercado classifica de Limpeza Profissional todas as atividades de limpeza interna e externa, exceto a Limpeza Pública e Urbana. Segundo o estudo atualizado, a atividade, com seus mais de 760 mil trabalhadores, quando somada aos envolvidos também nos multiserviços oferecidos pelas prestadoras de serviço como Jardinagem, Controle de Acesso, Manutenção Predial, Controle de Pragas, pode ultrapassar a marca de 1,6 milhão de trabalhadores.
..................

O prof. Cidinho Marques é o convidado pelo Sicoob Empresarial São Luís e Região nesta quarta-feira, dia 31, para ministrar a palestra “Vencer a Si Mesmo”. O evento acontece a partir das 19h30, na sede da Associação Comercial do Maranhão (ACM), localizada na Praça Benedito Leite, nº 264 – Centro. O evento é parte das ações da cooperativa de crédito para dar continuidade à implantação do Sicoob Empresarial em São Luís. Durante o encontro também serão dados esclarecimentos sobre a cooperativa, com consultor do Sicoob Nordeste - José Flávio Linhares, que falará sobre o processo de implantação da cooperativa de crédito e sobre o andamento do projeto técnico que será entregue ao Banco Central. As cinco entidades que integram o Siccob Empresarial farão parte do Momento Empresarial, quando irão lançar ações e produtos.
..................

A pontualidade de pagamentos das micro e pequenas empresas atingiu 95,7% em junho/13. Isto significa que durante o mês passado, a cada 1.000 pagamentos realizados, 957 foram quitados à vista ou com atraso máximo de sete dias. Foi a primeira vez, desde 2006, que a pontualidade de pagamentos das micro e pequenas empresas recuou para um mês de junho na comparação com maio. Foi também a primeira queda mensal do indicador após quatro meses seguidos de elevação. De acordo com os economistas da Serasa Experian, o recuo da pontualidade de pagamentos das micro e pequenas empresas em junho é reflexo do impacto adverso dos protestos sobre o ritmo dos negócios bem como do processo de elevação das taxas de juros, encarecendo o custo financeiro das empresas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário